Com os Campeonatos Sênior Nacionais a velocidade máxima se mede na Jamaica

Mais rápidos que o vento e mais velozes que um raio, esses são os atletas da Jamaica que alcançaram recordes mundiais nunca antes vistos. E atraem a atenção de amantes do esporte do mundo inteiro, que poderão seguir os Campeonatos Sênior Nacionais –National Senior Championships-  durante a última semana de junho. Este é o grande encontro da pista com o campo, que ocorre no Estádio Nacional de Kingston, e que também funciona como uma prévia do que as pessoas poderão ver nas Olimpíadas do Rio de Janeiro 2016, nos próximos meses.

O que esta ilha representa vai muito além de ser a terra natal do grande Bob Marley; ela é hoje, mais do que nunca, a fábrica dos atletas mais cobiçados que se reúnem em uma emocionante e dura competição para determinar, nada mais nada menos, quais serão as equipes que vão representar a Jamaica nos próximos Jogos Olímpicos. Vale dizer que os vencedores dos campeonatos mundiais deste ano estão isentos de competir. Entre eles estão Usain Bolt, o homem mais veloz do planeta, que deixou todos atónitos em seu mais recente feito na China, ao obter a coroa tripla nos 100 e 200 metros rasos e também no revezamento de 4X100 m. Enquanto que  Shelly-Ann Fraser, a sua equivalente feminina, teve um desempenho espetacular tanto na competição dos 100 metros rasos como em revezamento, dando passe a outra vitória memorável, a de Verónica Campbell nos 100 metros rasos.

Espera-se que uma multidão de aproximadamente 30.000 pessoas vá ao estádio para torcer por seus heróis durante os quatro dias do evento, que acontece de 30 de junho a 3 de julho. Já a transmissão pela tv espera alcançar mais de um milhão e meio de telespectadores, que devem acompanhar ao vivo a cobertura das competições durante os campeonatos nacionais.

Asafa Powell Vencedor dos 100 metros no último evento
Asafa Powell Vencedor dos 100 metros no último evento

Depois de acabados todos os adjetivos possíveis para descrever as façanhas dos velocistas jamaicanos, vale lembrar que somente nas Olimpíadas de Londres eles ganharam 12 medalhas nas categorias principais: quatro de ouro, quatro de prata e quatro de bronze. Foram brilhantes, mas algo me diz que sua performance no Brasil será, sem sombra de dúvida, ainda melhor. Há uma série de estrelas emergentes que, definitivamente, terão um desempenho notável neste próximo evento sênior, em que a máxima velocidade terá sua medida jamaicana. E depois haverá o Rio de Janeiro, com certeza.

Agregar Comentário